Os fatores de risco intrínsecos incluem uma avaliação dos seguintes aspetos

 

Estado de saúde geral – o paciente apresenta múltiplos problemas de saúde? – condições como diabetes mellitus ou problemas respiratórios são referidos como fatores de predisposição a um maior risco
Estado de mobilidade – a mobilidade reduzida afeta a capacidade de aliviar a pressão sobre os tecidos vulneráveis
Estado nutricional – a má nutrição pode ter múltiplos efeitos – o estado nutricional pode ser avaliado pela simples monitorização do peso e a avaliação de indicadores específicos, como a hemoglobina e a albumina sérica
Humidade da pele – esta é uma secção multifacetada – estar ciente de situações de incontinência é crítico, contudo também se deve considerar se a temperatura corporal aumenta e os seus efeitos
Idade – demonstrou-se que os efeitos da idade estão associados a um risco aumentado, contudo há que ter consciência de que as úlceras por pressão podem ocorrer em qualquer idade na presença de uma combinação de fatores de risco
Historial de úlceras por pressão anteriores – locais de úlceras anteriores representam locais de risco elevado, uma vez que o tecido cicatrizado terá apenas 80% da resistência original
Historial de consumo de drogas – tal como o uso de esteróides, que podem afetar a integridade da pele
Questões relacionadas com a perfusão/oxigenação – instabilidade CVS, suporte inotrópico, suporte de oxigénio são condições referidas que aumentam o risco de úlceras por pressão