Lidar com o desafio global das úlceras de pé diabético

Pé diabético - Prevenção e Tratamento

A diabetes é uma condição que continua a crescer e uns massivos 439 milhões de pessoas poderão sofrer desta condição até 2030.1 As pessoas com diabetes têm tendências para problemas frequentes e muitas vezes graves nos pés, como sejam úlceras e um risco relativamente elevado de infeção, gangrena e amputação. A abordagem terapêutica da Mölnlycke Health Care a esta situação é de disponibilizar soluções e suporte.

Tratamento rápido de todos os problemas nos pés

A gestão rápida por parte dos profissionais de saúde de todos os problemas relacionados com as úlceras de pé diabético demonstra, desde 1986, resultados positivos....

Calçado correto

Calçado incómodo, que não se adapta ao pé pode levar ao aparecimento de úlceras e traumatismos, uma vez que o paciente com diabetes pode sofrer danos nor nervos e não sentir dor ou que algo está mal....

Educação das pessoas com diabetes e profissionais de saúde

A evidência dos estudos randomizados controlados sobre o valor da educação na prevenção de úlceras de pé diabético é limitada. No entanto, as guidelines internacionais......

Inspeção visual anual e Identificação do pé em risco

O IDF(2005) e o Instituto Nacional de Excelência Clinica (NICE 2004) no Reino Unido recomendam que todas as pessoas com diabetes devem fazer um check-up visual anual......

Incidência da diabetes, complicações, úlceras nos pés

A Diabetes é um condição em crescimento. Recentes estimativas sugerem que aproximadamente 285 milhões de pessoas em todo o mundo sofrem deste problema......

Tratamento bem sucedido com Safetac

Os benefícios de utilizar apósitos com Safetac no tratamento de úlceras de pé diabético pode ser explicado utilizando...

Tratamento bem sucedido de úlceras de pé diabético difíceis de tratar

Embora os resultados dos estudos sejam limitados, o uso de terapias avançadas, inicialmente mais caras, podem ser justificados para pacientes com úlceras de pé diabético difíceis de curar....

Tratamento bem sucedido com Pressão negativa na úlcera de pé diabético

A Terapia de Pressão Negativa (NPWT) começou recentemente a ser recomendada no tratamento de algumas úlceras de pé diabético...

Início

Hoje em dia as úlceras de Pé Diabético constituem uma das principais preocupações dos profissionais de saúde do nosso país e é uma afeção em constante crescimento. Actualmente, estima-se que o custo...

Acerca de úlceras de pé diabético

Incidência da diabetes, complicações, úlceras nos pés

Estimativas recentes sugerem que aproximadamente 285 milhões de pessoas em todo o mundo têm diabetes e que este número aumentará até uns massivos 439 milhões em 20301.
As pessoas com diabetes estão sujeitas a uma série de complicações relacionadas com a sua condição. Estas incluem uma crescente incidência de doenças cardiovasculares, tais como ataques de coração ou AVC, e complicações ao nível microvascular, como a retinopatia que pode conduzir à cegueira e a nefropatia que pode conduzir à insuficiência renal. Uma das complicações mais devastadoras da diabetes é a amputação, tendo-se estimado que a cada trinta segundos, algures no mundo, alguém sofre uma amputação de uma extremidade inferior em resultado da diabetes, e que 85% destas amputações são precedidas de uma úlcera no pé (International Diabetes Federation (IDF) 2005). Aproximadamente 15% de todas as pessoas com diabetes serão afetadas por uma úlcera no pé ao longo da vida2 e, quanto maior for o número de diabéticos, maior será o número de úlceras que precisam de tratamento.
 
Uma úlcera de pé diabético (UPD) é definida como uma "ferida de espessura parcial abaixo do tornozelo num paciente diabético, independente da sua duração" (IDF 2005). As úlceras no pé desenvolvem-se em resultado de neuropatia ou de doença arterial periférica, de forma isolada ou combinada, e conduzem à categorização do pé neuropático, pé isquémico ou pé neuroisquémico. O pé neuropático apresenta-se geralmente como um pé quente, bem irrigado, com pulso pedioso palpável. Testes não-invasivos com um monofilamento de 10 g ou um diapasão de 128 mhz revelarão perda de sensibilidade. A ulceração é geralmente observada na sola do pé, por baixo de calos negligenciados e pressões plantares elevadas. O pé isquémico/úlcera isquémica é frio e o pulso pedioso está ausente na palpação. O pé está frequentemente dorido. As úlceras observam-se frequentemente na borda do pé, nas pontas dos dedos ou nas áreas em volta do calcanhar. O pé neuroisquémico apresentará uma combinação dos fatores acima mencionados.

A posição do IDF é que a gestão na prevenção e no tratamento de problemas do pé diabético inclui o seguinte:

  - Inspeção anual dos pés
  - Identificação do pé em risco
  - Educação das pessoas com diabetes e profissionais de saúde
  - Calçado adequado
  - Tratamento rápido de todos os problemas com os pés

Partilhe